domingo , 17 dezembro 2017
Home » Mídias » Esboço » Domingo da Igreja Perseguida

Domingo da Igreja Perseguida

DIP (Arquivo)

Se houvesse perseguição no Brasil e você fosse preso, haveria provas de que você é verdadeiramente um cristão?

É difícil aceitar e digerir bem essa pergunta, mas, na verdade, deveríamos fazê-la a nós mesmos dia após dia. Uma reflexão como essa pode nos mostrar o nível de seriedade que temos levado o evangelho de Cristo. Quem as pessoas têm enxergado em nossas vidas, Cristo ou a nós mesmos?011

Quando somos perseguidos, não o somos pelo que nós somos, mas sim porque levamos o nome de Cristo em nós. Jesus afirmou isso no evangelho de Lucas: “Todos odiarão vocês por causa do meu nome” (Lucas 21.17).

I – O Que É A Perseguição

A perseguição é, na verdade, uma consequência da vida com Cristo que levamos. Paulo nos mostra isso na segunda carta a Timóteo, quando ele diz: “De fato, todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” (2ª Timóteo 3.12). Se somos perseguidos, é porque andamos como Jesus deseja que andássemos.

O evangelho é tanto um convite às bênçãos de Deus como um desafio para submeter completamente nossa vontade à vontade de Deus. Jesus, em seu chamado aos discípulos em Lucas 9.23, apresenta o desafio: “Dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia, tome a sua cruz e siga-me”.

“Negarmos a nós mesmos” não é abrir mão de alguma coisa. É, em vez disso, uma negação completa e total. Isso contrasta diretamente com o estilo de vida que busca o melhor para si. Jesus diz que seus seguidores serão conhecidos como aqueles que negam a si mesmos.

A segunda parte do compromisso é ainda mais extremista do que negar a si mesmo: “tomar a cruz”. Apenas assumimos esse compromisso quando entendemos que a vida presente, de qualquer modo, termina na morte, e aquele que nos prometeu perdão e vida eterna pode cumprir sua promessa.

Certo é que, mesmo em meio à perseguição, os Cristãos Perseguidos têm muito a nos ensinar sobre relacionamento com Cristo, inda mais quando o assunto é lidar com tempestades que se levantam contra nós.

II – Princípios Bíblicos Aprendidos Com A Igreja Perseguida

  1. NÃO FIQUE SURPRESO

Na primeira carta de Pedro, ele nos fala para não ficarmos surpresos quando tais coisas acontecerem conosco. Pedro ensina que quando a perseguição e o sofrimento chegarem até nós, nossa primeira reação não deve ser de surpresa (1Pe 4.12-14).

  1. REGOZIJE-SE

Em 1Pedro 4.13 somos direcionados a nos alegrar nas nossas provações. Uma das promessas de Deus mais confortantes é “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Rm 8.28).

  1. ORE COM GRATIDÃO

Em Filipenses 4.6, o apóstolo Paulo nos exorta a não andarmos ansiosos. Ao contrário, devemos agir com atitude de gratidão porque Deus tem um propósito para nós e nos supre com o poder da ressurreição. O versículo seguinte expressa os resultados de um coração grato: “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e as vossas mentes em Cristo Jesus” (v. 7).

 

 

  1. AVALIE A FONTE DE SOFRIMENTO

Devemos avaliar o objetivo e a causa do sofrimento e nos certificarmos que estamos sofrendo porque é a vontade de Deus. (1 Pe. 4.1)

  1. RECUSE TER VERGONHA

Cristãos não devem se sentir envergonhados quando estiverem sofrendo. Se perceberem que sofrer por Jesus é normal, e que os cristãos em todo o mundo estão sofrendo situações parecidas, eles serão encorajados. Pedro diz “Mas, se sofrer como cristão, não se envergonhe disso, antes glorifique a Deus com esse nome” (1Pe 4.16).

  1. REAJA COMO CRISTO REAGIU

Quando sofremos, devemos reagir como Cristo reagiu. Ele não pagou insulto por insulto. Ele não ameaçou. Ele não clamou por vingança àqueles que lhe fizeram mal. Ele os amou e orou por eles.

Devemos dar a outra face. Isso é uma atitude cristã.

  1. RECUSE RETALIAÇÃO

A Bíblia provê ilustrações de várias opções de como se deve reagir à perseguição. Contudo, a Bíblia nunca aprova retaliação ou a morte de alguém que cometeu abuso contra nós porque somos seguidores de Jesus Cristo. Jesus nos ensina que devemos amar e orar pelos que nos perseguem.

  1. CONFIE EM DEUS

Pedro também indica, em 1Pedro 4.19, que a atitude e a reação de um discípulo devem ser de “confiar sua vida a Deus”. A palavra “confiar” é um termo bancário que se refere a depositar ou dar alguma coisa para ser mantida em lugar seguro. Pedro está dizendo que o nosso Deus é completamente capaz e fiel em cuidar de todas as nossas necessidades. É muito mais fácil enfrentar o sofrimento se tivermos proposto em nosso coração entregar tudo ao Senhor. Se tivermos uma atitude de submissão, obediência e serviço sacrificial, não seremos vencidos nas provações e perseguições que Ele possa permitir.

  1. PERMANEÇA FIRME E UNIDO

Como membros da mesma família, é nossa responsabilidade ajudar um parente que esteja sofrendo. O Corpo de Cristo está forte quando cada parte está unida. Quando uma parte sofre, todos os outros membros sofrem (1Co 12.20-27).

Salamat Masih no Paquistão foi acusado de escrever blasfêmias contra o profeta Maomé, mesmo Salamat sendo analfabeto. Ele estava no corredor da morte, mas finalmente não foi condenado. Durante o tempo estressante, Salamat recebeu cartões de todo o mundo. Ainda que não os pudesse ler, cada cartão lhe assegurava que as pessoas estavam orando por ele: “Nunca percebi que tinha tantos irmãos ao redor do mundo”, disse Salamat.

 

Conclusão

A Igreja Perseguida não carece de nossa dó ou pena. Ela precisa de nossa oração. Não devemos apenas nos compadecer com a situação daqueles que são perseguidos, mas temos de firmar um compromisso de oração e com ela aprender princípios que podem nos ajudar a crescer e amadurecer enquanto cristãos.

About Marcos Vinicius de Souza

Além disso, verifique

Eu Necessito da Tua Palavra

Salmos 89-96 – Esboço (Arquivo) Salmo 119.  89 – 96 – Eu Necessito da Tua Palavra  ...